Tag Archives: desenvolvimento humanos

Por uma imagem mais humana

4 jun

Fotos de desastres, fome, pobreza e de situações de pessoas em risco social são bastante comuns. Sempre estampam capas de revistas e primeiras páginas de jornais. Mas e onde ficam as boas notícias e, claro, as boas imagens?

Dizem que boa notícia (consequentemente boa imagem?) não vende jornal e arrisco entrar nesta seara afirmando que acho essa ideia totalmente intolerante, principalmente quando pronunciada da boca de um comunicador. Para mim, quem afirma isso ou é doente da cabeça ou bom sujeito não é. Repetir o jargão é perpetuar um sistema falido e incoerente, pelo menos com o que eu acredito.

Talvez pensando nisso, o Centro Internacional de Polícias para o Crescimento Inclusivo (IPC-IG), com parceria da ONU, lança a Campanha Global de Fotografia com o tema Humanizando o Desenvolvimento. Divulgada no início deste mês, a campanha busca promover e exibir bons exemplos de pessoas vencendo a batalha contra a pobreza, a exclusão social e a marginalização. Com isso – e de alguma forma – este projeto visa combater as imagens (e, por que não?, o olhar das notícias sobre o tema desenvolvimento humano) sempre perpetuadas.

Além disso, a campanha ainda quer difundir ações bem sucedidas e inovadoras. A participação, que tem recebido incentivo de todo o mundo, é livre. Basta enviar sua foto para o site da campanha.

No entanto, a foto deverá retratar uma das 14 áreas temáticas da campanha, que se relacionam com os Objetivos do Milênio. O projeto terá uma galeria de fotos permanente no escritório do IPC-IG e uma série de exposições em diversas cidades ao redor do globo. As contribuições também farão parte de um banco de imagens que será compartilhado com parceiros da campanha, departamentos da ONU e várias agências.

Por Adriana Franco
Com informações do site da ABONG.

Por falar em desenvolvimento …

22 abr

Embora conhecido mundialmente como um direito fundamental desde 1972, o Direito ao Desenvolvimento só foi reconhecido pela Organização das Nações Unidas em 1986, através de um documento. Em 1977, a ONU já havia o estabelecido como um direito inalienável, mas demorou todos estes anos para promovê-lo através de uma Declaração.

Com dez artigos, a Declaração reconhece que a criação de condições favoráveis ao desenvolvimento dos povos e indivíduos é responsabilidades de seus Estados. Para isso, Governos deveriam criar políticas públicas sociais aptas a concretizar este direito, que engloba o desenvolvimento econômico, social, cultural e político além de primar pelos direitos humanos e liberdades fundamentais.

Infelizmente ainda existem países que não respeitam alguns direitos básicos como liberdade e direitos humanos.

Segue, abaixo, os artigos da Declaração sobre o Direito ao Desenvolvimento adotado em Assembléia Geral das Nações Unidas em 4 de dezembro de 1986.

Artigo 1º
§1.O direito ao desenvolvimento é um direito humano inalienável, em virtude do qual toda pessoa e todos os povos estão habilitados a participar do desenvolvimento econômico, social, cultural e político, a ele contribuir e dele desfrutar, no qual todos os direitos humanos e liberdades fundamentais possam ser plenamente realizados.

§2.O direito humano ao desenvolvimento também implica a plena realização do direito dos povos de autodeterminação que inclui, sujeito às disposições relevantes de ambos os Pactos Internacionais sobre Direitos Humanos, o exercício de seu direito inalienável de soberania plena sobre todas as sua riquezas e recursos naturais.

Artigo 2º
§1.A pessoa humana é o sujeito central do desenvolvimento e deveria ser participante ativo e beneficiário do direito ao desenvolvimento.

§2.Todos os seres humanos têm responsabilidade pelo desenvolvimento, individual e coletivamente, levando-se em conta a necessidade de pleno respeito aos seus direitos humanos e liberdades fundamentais, bem como seus deveres para com a comunidade, que sozinhos podem assegurar a realização livre e completa do ser humano e deveriam por isso promover e proteger uma ordem política, social e econômica apropriada para o desenvolvimento.

§3.Os Estados têm o direito e o dever de formular políticas nacionais adequadas para o desenvolvimento, que visem ao constante aprimoramento do bem-estar de toda a população e de todos os indivíduos, com base em sua participação ativa, livre e significativa e no desenvolvimento e na distribuição eqüitativa dos benefícios daí resultantes.

Artigo 3º
§1.Os Estados têm a responsabilidade primária pela criação das condições nacionais e internacionais favoráveis à realização do direito ao desenvolvimento.

§2.A realização do direito ao desenvolvimento requer pleno respeito aos princípios do direito internacional, relativos às relações amistosas de cooperação entre os Estados, em conformidade com a Carta das Nações Unidas.

§3.Os Estados têm o dever de cooperar uns com os outros para assegurar o desenvolvimento e eliminar os obstáculos ao desenvolvimento. Os Estados deveriam realizar seus direitos e cumprir suas obrigações, de modo tal a promover uma nova ordem econômica internacional, baseada na igualdade soberana, interdependência, interesse mútuo e cooperação entre todos os Estados, assim como a encorajar a observância e a realização dos direitos humanos.

Artigo 4º
Os Estados têm o dever de, individual e coletivamente, tomar medidas para formular as políticas internacionais de desenvolvimento, com vistas a facilitar a plena realização do direito ao desenvolvimento. É necessária ação permanente para promover um desenvolvimento mais rápido dos países em desenvolvimento. Como complemento dos esforços dos países em desenvolvimento, uma cooperação internacional efetiva é essencial para prover esses países de meios e facilidades apropriados para incrementar seu amplo desenvolvimento.

Artigo 5º
Os Estados tomarão medidas firmes para eliminar as violações maciças e flagrantes dos direitos humanos dos povos e dos seres humanos afetados por situações tais como as resultantes do apartheid, de todas as formas de racismo e discriminação racial, colonialismo, dominação estrangeira e ocupação, agressão, interferência estrangeira e ameaças contra a soberania nacional, unidade nacional e integridade territorial, ameaças de guerra e recusas de reconhecimento do direito fundamental dos povos à autodeterminação.

Artigo 6º
§1.Todos os Estados devem cooperar, com vistas a promover, encorajar e fortalecer o respeito universal pela observância de todos os direito humanos e liberdades fundamentais para todos, sem distinção de raça, sexo, língua ou religião.

§2.Todos os direito humanos e liberdades fundamentais são indivisíveis e interdependentes; atenção igual e consideração urgente devem ser dadas à implementação, promoção e proteção dos direitos civis, políticos, econômicos, sociais e culturais.

§3.Os Estados devem tomar providências para eliminar os obstáculos ao desenvolvimento resultantes da falha na observância dos direitos civis e políticos, assim como dos direitos econômicos, sociais e culturais.

Artigo 7º
Todos os Estados devem promover o estabelecimento, a manutenção e o fortalecimento da paz e segurança internacionais e, para este fim, deveriam fazer o máximo para alcançar o desarmamento geral e completo do efetivo controle internacional, assim como assegurar que os recursos liberados por medidas efetivas de desarmamento sejam usados para o desenvolvimento amplo, em particular o dos países em via de desenvolvimento.

Artigo 8º
§1.Os Estados devem tomar, em nível nacional, todas as medidas necessárias para a realização do direito ao desenvolvimento e devem assegurar, inter alia, igualdade de oportunidade para todos, no acesso aos recursos básicos, educação, serviços de saúde, alimentação, habitação, emprego e distribuição eqüitativa da renda. Medidas efetivas devem ser tomadas para assegurar que as mulheres tenham um papel ativo no processo de desenvolvimento. Reformas econômicas e sociais apropriadas devem ser efetuadas com vistas à erradicação de todas as injustiças sociais.

§2.Os Estados devem encorajar a participação popular em todas as esferas, como um fator importante no desenvolvimento e na plena realização de todos os direitos humanos.

Artigo 9º
§1.Todos os aspectos dos direito ao desenvolvimento estabelecidos na presente Declaração são indivisíveis e interdependentes, e cada um deles deve ser considerado no contexto do todo.

§2.Nada na presente Declaração deverá ser tido como sendo contrário aos propósitos e princípios das Nações Unidas, ou como implicando que qualquer Estado, grupo ou pessoa tenha o direito de se engajar em qualquer atividade ou de desempenhar qualquer ato voltado à violação dos direitos consagrados na Declaração Universal dos Direitos Humanos e nos Pactos Internacionais sobre Direitos Humanos.

Artigo 10
Os Estados deverão tomar medidas para assegurar o pleno exercício e fortalecimento progressivo do direito ao desenvolvimento, incluindo a formulação, adoção e implementação de políticas, medidas legislativas e outras, em níveis nacional e internacional.

 

Mais um curso na área

22 abr
13ª edição do Curso Online de Desenvolvimento Humano para Jornalistas

13ª edição do Curso Online de Desenvolvimento Humano para Jornalistas

Acabei de ler o e-mail que me credenciou para o 13º Curso Online Desenvolvimento Humano para Jornalistas, realizado pela Abraji em parceria com o Instituto Ayrton Senna.

Nem preciso dizer que estou super feliz – principalmente porque cursos nesta área é tão difícil. Na edição anterior eu também tinha me cadastrado, mas não tinha sido selecionada. Mas desta vez deu certo. Até me anima mais, já que ainda não sei se vou conseguir continuar o curso da USP, devido ao novo emprego.

Agora, vou ter ainda mais bagagem para continuar aqui. Daqui a pouco vem mais posts interessantes. Mas é que a notícia é tão boa, que resolvi dividir com vocês. Além do mais, acabo difundindo mais o curso e incentivando mais pessoas a fazer.