Tag Archives: ONG

Os caras amassadas e a imprensa livre

27 maio

A ONG Repórteres sem Fronteira criou uma ótima campanha em prol da liberdade de imprensa. Com a foto de 3 dos 40 maiores predadores da liberdade de imprensa com o rosto amassado em páginas de revistas, a ONG quer mostrar que apenas sem eles a liberdade de imprense estará garantida. Se contra o Collor o Brasil tinha os caras pintadas, contra a liberdade de imprensa a Repórteres Sem Fronteira tem os caras amassadas.

A ideia genial tem como “garotos propaganda” os presidentes Mahmoud Ahmadinejad, do Irã; Kim Jong Il, da Coreia do Norte; e Mauammar Kadafi, da Líbia.

A campanha, da Saatchi & Saatchi e dos artistas Sthephen J. Shanabrook e Veronika Georgieva, ainda inclui um vídeo que mostra os garotos propagandas serem lentamente amassados. Ao final, o slogan diz:  Somente a imprensa livre pode feri-los.

Veja o vídeo:

Brasileira filma iniciativas pela paz no Oriente Médio

14 maio

Julia Bacha atua em ONG dos EUA que registra ações pacifistas na região. ‘Budrus’, seu último filme, ganhou 2º prêmio do público no Festival de Berlim.

 

Como aconteceu com quase todos os moradores de Nova York, os atentados de 11 de setembro de 2001 tiveram um profundo impacto na vida da carioca Julia Bacha, 29, que havia chegado à cidade aos 17 com a intenção de estudar inglês.

O abalo provocado pelo choque de dois aviões comandados por militantes da al-Qaeda às torres do World Trade Center levou a então estudante de história na Universidade de Columbia a querer entender mais sobre o Oriente Médio.

“Estava estudando histórias de diferentes lugares, até que o 11 de Setembro aconteceu e foi um momento muito impactante para quem estava em Nova York. O campus da Columbia é muito politicamente ativo. Fiquei envolvida e aí mergulhei no Oriente Médio e resolvi que ia me dedicar a isso”, lembra a brasileira.

Julia tinha deixado para trás o curso de direito na PUC do Rio, para a apreensão dos pais, o economista Edmar Bacha e a vereadora Andrea Gouveia Vieira. Ao concluir o curso, foi aprovada para uma das vagas no mestrado da Universidade de Teerã. Mas a invasão do Iraque pelos EUA em 2003 – um dos desdobramentos dos atentados de 2001 – endureceu as relações com o vizinho Irã, que negou o visto.

Enquanto esperava uma nova oportunidade para entrar no país islâmico, a brasileira se estabeleceu no Egito, para trabalhar como assistente da cineasta americana de origem egípcia Jehane Noujaim. Acabou assinando o roteiro e edição de “Control Room”, filme que marca sua estreia no cinema.

O filme chamou a atenção da israelo-canadense Ronit Avni, que convidou Julia para dirigir um núcleo de cinema da Just Vision, organização não-governamental fundada por ela nos Estados Unidos, com escritório em Jerusalém, para divulgar iniciativas pacifistas de israelenses e palestinos numa das regiões mais conflituosas do planeta.]

“Trabalhamos do ponto de vista jornalístico e de cinema. O objetivo não é panfletário, não queremos dizer que tudo que está acontecendo é bom e numa direção certa. Queremos contar a história toda, com problemas, dificuldades, com o que está ou não funcionando. A gente acredita que essa maneira de contar histórias é muito mais efetiva para realmente criar interesse na comunidade internacional”, observa Julia.

Budrus
O mais recente filme dirigido por ela, o documentário “Budrus”, exibido por aqui no festival “É Tudo Verdade”, registra as mais de 50 passeatas organizadas pelo ativista Ayed Morrar ao longo de dez meses, no esforço de convencer Israel a alterar o traçado do muro que estava construindo nos territórios palestinos ocupados e que afetaria os 1.500 moradores do pequeno vilarejo homônimo.

Entre outros efeitos, a barreira destruiria parte de um campo de oliveiras, fonte de subsistência, além de dividir um cemitério e uma escola da vila. O que começa como um pequeno protesto dos moradores em frente às máquinas do Exército israelense, acaba chamando a atenção de organizações pacifistas e provoca uma impensável reunião dos rivais Hamas e Fatah pela causa.

Parte do material usado no filme foi filmado pelos próprios manifestantes, como forma de intimidar os militares. “A câmera tem esse efeito porque os soldados não querem ser filmados cometendo violações aos direitos humanos. Além disso, se alguma coisa acontecer, esse material pode ser usado como documentação ou pode ser repassado para a mídia”, explica Julia, que falou ao G1 do escritório da organização em Nova York.

Sessão de gala
Premiado com o segundo prêmio do público no Festival Internacional de Cinema de Berlim, “Budrus” estreou esta semana nos EUA no prestigiado festival Tribeca Film. Antes, teve uma sessão de gala patrocinada pela rainha Noor, da Jordânia, que entregou a Julia e Ronit na ocasião o prêmio King Hussein Leadership Prize, concedido a indivíduos e organizações com ações de destaque em direitos humanos.

Com diversas produções no currículo, duas delas dirigidas pela brasileira, a Just Vision tem no seu acervo mais de 80 entrevistas de personagens dos dois lados do conflito, disponíveis em árabe, hebraico e inglês. O próximo projeto da ONG é uma série de curtas sobre o conflito.

A crescente visibilidade conquistada por “Budrus”, ironicamente, pode atrapalhar as próximas produções da organização na região do conflito.

“Não sabemos como vão ser os próximos filmes. Não somos conhecidos e isso é uma vantagem. Mas esse filme está recebendo muita atenção na mídia israelense. Já é muito difícil entrar em Israel por conta do nível de segurança. Fora isso, trabalhar na Cisjordânia é sempre complicado, o Exército pode a qualquer momento decidir quem entra e quem não entra de forma arbitrária”, diz Julia.

Quanto a registrar movimentos pacifistas numa das regiões mais conflituosas do mundo, em constante risco de bombardeio, a brasileira relativiza: “Meus pais ficam preocupados, mas eu sinceramente acho que Rio e São Paulo não são menos perigosos do que o Oriente Médio”.

Fonte: G1/Amauri Arrais

O que você faz por um mundo melhor?

28 ago

Economiza água? Recicla lixo? Doa roupas no inverno? Tem gente que faz muito mais do que isso. Se dá, se doa, faz alguma coisa por alguém, doa sua força de trabalho, seu talento, sua vida.

Quantas pessoas você não conhece que doaram a vida em troca de uma causa, de um mundo, dos outros? Hoje, Dia Nacional do Voluntariado, republico a história de Carla, uma médica que largou 3 empregos, a família e os amigos para ajudar pessoas com causas urgentes, como ela mesma define.

Carla Kamitsuji: diário de uma médica sem fronteira

A psiquiatra Carla Kamitsuji trocou a vida que levava em São Paulo pelo perigo – e se encontrou. Há dois anos, trabalha com populações vitimadas pela violência, que passam fome, enfrentam epidemias, a angústia, a depressão e as recorrentes ameaças de exércitos em guerra

Em 2007, a psiquiatra Carla Kamitsuji, 32 anos, fechou o consultório em São Paulo, pediu demissão de três empregos, trocou os sapatos por tênis e partiu para Uganda, na África, em sua primeira missão em Médicos sem Fronteiras (MSF), organização humanitária internacional presente em mais de 70 países. Desde o grave acidente de carro que sofrera, aos 25 anos, por ter dormido ao volante, questionava sua rotina turbulenta e cheia de plantões. Não via sentido naquilo. Bem o oposto do que sente hoje ajudando a restaurar a vida de pessoas em meio a guerras, doenças, violência social e catástrofes naturais.

Depois de Uganda, Carla passou pelo Iraque e no momento está na Cisjordânia. Com a família, ela se comunica duas vezes por mês pelo Skype e, num único e-mail mensal, dá notícias a todos os amigos. A psiquiatra não tem namorado, filhos nem planos para tanto. Uma médica pode se casar durante a missão, mas, se ela engravidar em áreas endêmicas, terá de abandonar o trabalho para não oferecer riscos ao bebê.

A aridez da missão faz a psiquiatra se perguntar, constantemente, por que escolheu esse caminho. “Sei que o trabalhador humanitário está mais sujeito a infecção por HIV; sofre de solidão e stress cumulativo por ficar longe de casa, da língua nativa; enfrenta, às vezes, alojamentos sem energia elétrica, tomando banho de balde. Tudo isso o torna mais suscetível ao suicídio e ao abuso de álcool e drogas”, reflete. “Mesmo assim, a resposta é clara: minha vocação é estar no mundo, entre as pessoas que têm as demandas mais agudas e urgentes. É desse modo que resolvo os meus conflitos internos e me sinto realmente feliz.”

CISJORDÂNIA
No fim de 2008, o conflito entre Israel e a Faixa de Gaza se intensificou: o Exército israelense bombardeou o local para cercear o lançamento de foguetes do Hamas, o grupo radical islâmico que controla a área. Em janeiro, o saldo de mortos em Gaza chegou a 700, e o de feridos a 2,5 mil. O reflexo do pavor se estendeu à vizinha Cisjordânia, outro território palestino sob ocupação de Israel. Carla chegou a Hebron, na Cisjordânia, em 23 de janeiro de 2009 e permanecerá lá até outubro.

Quando me instalei, a cidade respirava sob um cessar-fogo. As pessoas têm medo de que o próximo alvo de bombas seja a Cisjordânia. Durante a guerra, a população passava o dia vendo os ataques na TV Al Jazeera. Não há um só árabe aqui que não tenha parentes em Gaza. Tratamos sintomas depressivos, ansiedade e pânico com técnicas da terapia cognitiva comportamental e da arte-terapia em até 12 encontros. Se há necessidade de remédio, encaminhamos para o centro de saúde mental do governo.

As crianças são as mais afetadas. Elas não querem dormir sozinhas e relatam sonhos terríveis. Uma menina cobriu suas bonecas alegando que elas não podiam mais brincar porque haviam morrido como os moradores de Gaza. Outra, de 12 anos, foi atingida por uma bala de borracha perdida, disparada por soldados israelenses no contra-ataque a garotos que atiravam pedras. Ela sofreu de insônia por 15 dias. Num outro episódio, um rapaz de 16 anos, que também atirava pedras, acabou preso. A mãe, angustiada com a prisão, perdeu o apetite, o ânimo e a concentração. Após três sessões individuais, ela apresentou melhoras. Um jovem de 18 anos, que se recusou a ficar de pé em posição de revista, tomou um tiro nas costas e teve o pulmão e duas vértebras afetados. Relata dores, falta de ar e sentimento de morte.

Eu também me cuido: uma vez por mês vou a Jerusalém para supervisão técnica e suporte psicológico com a nossa equipe. O desabafo me ajuda a administrar o impacto dos casos que ouço e a manter o equilíbrio.

Como a maioria dos atendimentos é domiciliar, passo muito tempo fora do escritório, com um motorista e uma tradutora. De folga na sexta e no sábado, posso dirigir e andar pelas ruas. Hebron é bonita e tem frutas e verduras variadas, roupas, eletroeletrônicos. As mulheres andam de véu e saia longa; as estrangeiras podem usar manga curta e saia abaixo dos joelhos. Sempre ouço a palavra salamalekum, que significa “a paz sobre você”. Mas o retrato do momento, para mim, é o muro que separa palestinos e israelenses – tanto o de concreto quanto o abstrato, bem mais difícil de ser compreendido.

UGANDA
O Exército de Resistência do Senhor (LRA), de orientação fundamentalista cristã, tenta derrubar o presidente Yoweri Museveni, que está no poder desde 1986 e reage com pesados ataques.

Depois de 22 anos de guerra civil, vigora no momento uma trégua, mas a população teme o LRA, que sequestra garotos e os transforma em soldados e faz das meninas escravas sexuais. Carla ficou no país de 16 de janeiro de 2007 a 7 de outubro do mesmo ano.

Em Attiak, no norte de Uganda, as pessoas vivem em campos de refugiados internos. Elas não voltam para casa com medo dos ataques do Exército oficial e do LRA – qualquer cidadão fora dos campos é considerado inimigo. As famílias ocupam tukuls (oca de tijolo e argila coberta com palha) e o acesso aos serviços básicos é precário. Minha missão era implantar um programa de saúde mental e mostrar que bem-estar envolve curtir os amigos e o trabalho, equacionar problemas e sentir-se livre.

Uganda me marcou pela riqueza do contato humano. As crianças se apegavam, queriam brincar, me chamavam de mono, que quer dizer branca. Me lembro bem de um domingo gostoso, quando almocei na casa de uma colaboradora da equipe. Sentamos no chão – não se usa mesa na região – e foram servidas as cumbucas. Não há faca nem garfo, comemos com as mãos. Também me surpreendi com o 8 de março: no Dia Internacional da Mulher ninguém trabalha, é feriado.

 

IRAQUE
Os Estados Unidos invadiram o Iraque em 2003 e derrubaram o ditador Saddam Hussein, que ficou 24 anos no poder. Tropas americanas com 100 mil homens continuam no país, marcado por inúmeros atentados que atingiram a população civil. A psiquiatra Carla Kamitsuji trabalhou no Iraque de 17 de fevereiro a 26 de junho de 2008.

Vivi entre Erbil e Dohuk, que não estão na zona de guerra explícita, mas sofreram explosões em 2007. A tensão emocional é relatada por todos os pacientes – seja em consequência da guerra contra o Irã (de 1980 a 1988), da opressão do regime de Saddam Hussein ou da invasão americana. A maioria dos casos, porém, era de mulheres queimadas. No mundo ocidental, as pessoas interrompem a vida ingerindo remédios. Lá, ateiam fogo no corpo.

Em Erbil, trabalhei em um hospital de emergência. Não esqueço uma mulher de 20 anos, forçada a casar com um primo. Sem ver saída, incendiou as roupas. Os curativos eram feitos sem morfina, e ela se mantinha calada. Outra teve um caso com o cunhado, o marido descobriu e a polícia entrou no meio: adultério é crime. Assim que ela recebeu alta, o marido a matou.

Já em Dohuk, participei de um projeto com deslocados internos vindos de Bagdá, Mosul e Kirkuk. Eram todos curdos e preferiam morar em barracas a se expor aos ataques xiitas ou sunitas. Fazíamos visitas domiciliares para detectar a necessidade de ajuda. Encontrei casos como o de uma adolescente que ficou apática, sem fala, depois que o pai tirou seu celular para que esquecesse a escola e os amigos que deixara para trás e se acostumasse com a realidade de refugiada.

Também foi marcante o caso da viúva de um soldado assassinado em Mosul, obrigada a abandonar a casa às pressas para não ser morta com a família. Ela apresentava transtorno de humor, chorava muito e batia nos filhos. Um dia, tentou o suicídio eletrocutando-se. Seu caso só se resolveu quando a terapeuta mostrou a foto do marido e ela, finalmente, pode se despedir dele – o que não fizera por causa da fuga da cidade. A partir daí, respondeu melhor ao tratamento e aprendeu a controlar a raiva que a fazia bater nos filhos.

Houve momentos leves, entre pessoas que queriam mostrar as belezas do país e me convidavam para visitá-las. Mas eu ficava em casa nas folgas, presa às regras de segurança. O responsável pela logística do grupo precisava ser informado de cada passo, era impossível sair a pé sozinha e sem rádio de comunicação. Fazer visitas, só com autorização: a ausência de mais de uma hora podia significar sequestro. Namorar um iraquiano, nem pensar. Os bairros com grande circulação de estrangeiros eram vetados por serem alvos de bombardeios. Eu me sentia confinada e cheguei a desenvolver sintomas de depressão. Os colegas não sabiam o que fazer. Médicos são pragmáticos, lidam com malária, ossos quebrados, mas, diante da solidão, sentem-se impotentes – ou preferem ignorar que temos fraquezas. Apesar disso, o saldo da experiência foi positivo.

Jovens constroem casas para famílias carentes

28 ago

Criada no Chile, a ONG “Um Teto para meu País” atua em diversos países da América Latina, reunindo jovens universitários para construírem casas de emergência para famílias que vivem em condições de extrema pobreza. No Brasil, a ONG realizará uma grande ação, no dia 29 de agosto, em São Paulo, para arrecadar fundos para a construção de novas casas

Você consegue imaginar quantas famílias moram, hoje, em barracos de favela, em toda a América Latina? Segundo dados do IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, cresce cada vez mais o número de brasileiros que vivem, em condições precárias, nas grandes favelas das capitais do país. A informação, claro, é preocupante, mas já existem ONGs lutando, com eficiência, contra essa realidade. 

Entre elas, a UTPMP Um Teto para meu País. A ONG foi criada no Chile, em 1997, por estudantes universitários, com o objetivo de construir – com as próprias mãos – casas de emergência para famílias que vivem em condição de extrema pobreza e, posteriormente, traçar planos de habitação social para comunidades carentes inteiras. 
Depois de conseguir ajudar 85% das famílias necessitadas do Chile, a iniciativa se expandiu por 15 países da América Latina – entre eles, o Brasil. Atuando desde 2006 no nosso país, o Teto – como é conhecido internamente – já construiu 195 casas de madeira em 4 municípios paulistas – São Paulo, Itapeva, Guarulhos e Suzano –, com a ajuda de mil voluntários universitários, entre 18 e 29 anos. 

Para aumentar o número de casas de emergência construídas, a ONG realizará, no dia 29 de agosto, um mutirão para arrecadar fundos para a causa. 500 jovens universitários se espalharão por 50 pontos diferentes da capital paulista, pedindo contribuições financeiras sob o slogan “Construa com 5” – o valor de R$ 5, no entanto, é apenas uma meta e os voluntários aceitarão, também, outras quantias em dinheiro. 

A longo prazo, o objetivo do Teto é expandir a iniciativa para outras regiões do país e, assim, desenhar um Brasil em que, no futuro, nenhuma família precisará de casas de emergência, pois todos viverão em moradias dignas. Utopia? Talvez não, se todos ajudarem. Os interessados em colaborar com a causa podem entrar em contato com a ONG por e-mail

Coleta da UTPMP

Data: 29 de agosto
Horário: das 8h às 17h
Local: cidade de São Paulo

Fonte: Planeta Sustentável

Planeta Voluntários: uma ferramenta voluntária

12 jul

Lançado em maio deste ano, o Portal pretende unir ONGS e voluntários. De acordo com informações divulgada no próprio site, o Planeta Voluntários é um site não governamental criado pelo empresário Marcio Aurélio Demari e tem como objetivo desenvolver a cultura do trabalho voluntário organizado. Para isso, o site informa disponibilizar de um banco de dados que cruza as informações dos voluntários às instituições cadastradas.

“Nós, do Planeta Voluntários, convidamos você a servir e a apoiar os outros com devoção e compaixão. Começando com a nossa própria transformação pessoal e, mediante serviço, por fazer a diferença, é a forma como nós acreditamos que vamos chegar a essa massa crítica de pessoas que, juntas, emerge como a nova humanidade.” afirma o site.

Para tanto, o portal lança um desafio para a ação global, em busca por soluções de assuntos como a pobreza, a fome e a poluição, que são visíveis onde vivemos. E argumenta, por exemplo, ao dizer que 20 milhões de brasileiros são afetados pela pobreza. Além destes dados, o Planeta Voluntários também apresenta informações contundentes sobre  AIDS, fome, educação, habitação, saneamento e outras informações.

Acesse você também e saiba como você pode ajudar: www.planetavoluntarios.com.br

Duas vidas por carta

14 maio

Duas histórias se desenrolam paralelamente. E, embora elas pudessem nunca se encontrar, acabam se cruzando e construindo vínculos de amizade e afeto. É assim que funciona o Projeto Correspondentes.

Você troca correspondência com uma criança ou um adolescente por cerca de um ano e o ajuda a desenvolver-se na leitura, escrita e, em alguns casos, em sua re-estruturação de vida, já que em alguns casos a criança sofreu violência, abusos ou sofre algum trauma por abandono ou por estar em abrigos, afastado do convívio familiar.

Desde que conheci o projeto achei a ideia criativa, diferente, original, fantástica. E hoje troco cartas com Gabriela, de 11 anos. Mas o projeto passa por necessidades.

Desde que produzi o documentários sobre a revista Ocas”, a fala de um dos voluntários me acompanha. “Por que um projeto que tem tudo para envolver milhares de pessoas – visto que São Paulo tem mais de 12 mil pessoas em situação de rua – só consegue reter 30?” Ele, claro, falava especificamente do caso da revista, que poderia ter muitos outros vendedores e ser muito maior, mas que enfrentava dificuldade por falta de vendedores e de patrocínio. Mas o questionamento, hoje, é aplicado a todo projeto que vejo e acredito, mas que vai mal.

Sinto-me penalizada, sempre. E tento de alguma forma contribuir. O Projeto Correspondentes atende hoje 621 crianças e adolescentes com seus respectivos voluntários – cada criança tem um voluntário especialmente selecionado. E recebe apoios financeiro pontuais da Pecos Incorporação, Instituto HSBC Solidariedade, Instituto Unibanco e IBM.

Há uma lista de espera de 161 voluntários, mas com a diminuição do financiamento, o Projeto parou de receber inscrições de novos voluntários. Infelizmente a crise afetou a captação de verbas, já que um parceiro reduziu o aporte no valor do apoio.

A TV Bandeirantes fez uma matéria linda sobre o Projeto. Espero que de alguma forma essa garrafa lançada ao mar sirva de alguma maneira, assim como estas poucas linhas.

Para ver a matéria da Band, clique aqui.

Para saber mais sobre o Projeto, acesse aqui.